• -10%
  • -10%
COULDINA COM ÁCIDO ACETILSALICILIC...

COULDINA COM ÁCIDO ACETILSALICILIC 500 mg/2 mg/7,5 mgs 20 COMPRIMIDOS EFERVESCENTES

681528
10,40 € 11,55 € -10%
Com IVA

AÇÃO E MECANISMO

- Combinação de um [ANALGESIC] [ANTIPIRÉTICO], um [ANTAGONISTA HISTAMINERGICAL (H-1)] e um [NASO/FARINGEO DESCONGESTION]. O ácido acetilsálico exerce efeitos analgésicos e antipiréticos devido à inibição da síntese de prostaglandina no nível central. Fenilefrina, por outro lado, é um agonista adrenérgico alfa-1, que resulta em vasoconstrição, reduzindo o congestão nasal. Finalmente, a clorofenamina atua como um antagonista histaminérgico e muscarínico, eliminando sintomas frios como espirro, choro ou rinorreia.


AVISOS ESPECIAIS

- Ajustes de dosagem podem ser necessários ao administrar produtos ácido acetilsalílicos em pacientes tratados com anticoagulantes, fenitoína, digoxina ou metotrexato, entre outros.


IDOSO

Pacientes idosos podem ser mais suscetíveis aos efeitos colaterais deste medicamento, por isso é recomendável usá-lo com cautela, e interromper a administração se as reações adversas não forem toleráveis.


CONSELHO PARA O PACIENTE

- Este medicamento deve ser dado após as refeições.- É aconselhável beber muita água durante o tratamento, evitando o máximo possível a ingestão de bebidas alcoólicas.- Recomenda-se não exceder as doses diárias recomendadas e evitar tratamentos com mais de dez dias sem prescrição opcional.- Se a febre for mantida por mais de 3 dias ou os sintomas continuarem ou piorarem após 5 dias, recomenda-se consultar o seu médico.- Antes de iniciar o tratamento, o médico deve ser notificado de qualquer doença sofrida pelo paciente ou qualquer droga que esteja tomando.- É aconselhável ver seu médico se o sangue aparecer nas fezes ou vômitos, dor de estômago, fraqueza geral, tontura ou percepção de sons como bipes ou assobimentos.- Pode causar sonolência, por isso recomenda-se ter cuidado ao dirigir, e não combiná-lo com drogas ou outras substâncias sedativas, como o álcool.- Não administre produtos ácido acetilsalic em menores de 16 anos.- É aconselhável parar o tratamento vários dias antes da cirurgia.


CONTRA-INDICAÇÕES

- Hipersensibilidade a qualquer componente do medicamento, como [ALERGIA SALICILATOS] ou [ALERGIA INE].- [PEPTICA ULCER], [HEMORRAGIA GASTROINTESTINAL]. A erosão da mucosa gástrica pode ser aumentada.- [ALTERAÇÕES DE COAGULAÇÃO], como [HEMOFILIA], [HIPOPROTROMBINEMIA] OU [DÉFICIT DE VITAMINA K]. A AS aumenta o risco de sangramento de seus efeitos anti-agregação.- [PORFIRIA]. Os anti-histamínicos H1 não consideram seguros em pacientes porfiria.- Crianças menores de 16 anos como uso de aspirina foram ligadas à Síndrome de Reye.- Doença cardíaca grave ou diabetes mellitus descontrolada. Há risco de descompensação grave.- Pacientes em tratamentos com antidepressivos IMAO dentro de 14 dias antes de iniciar a terapia de fenilefrina (ver Interações).


EFEITOS NA CONDUÇÃO

Este medicamento pode afetar substancialmente a capacidade de dirigir e/ou operar máquinas. Os pacientes devem evitar o manuseio de máquinas perigosas, incluindo automóveis, até que estejam razoavelmente certos de que o tratamento medicamentoso não os afeta negativamente.


GRAVIDEZ

Algumas substâncias ativas nesta especialidade são capazes de atravessar a barreira placentária.AAS: Estudos epidemiológicos sugerem um aumento do risco de abortos e malformações congênitas (incluindo malformações cardíacas e gastrosquise). Durante o primeiro e segundo trimestres da gravidez, a aspirina não deve ser administrada a menos que seja estritamente necessária, na menor dose possível e menor duração possível do tratamento. Durante o terceiro trimestre de gravidez, o uso de inibidores da síntese de prostaglandina pode expor o feto à toxicidade cardiopulmonar (com fechamento prematuro do ducto arterio e hipertensão pulmonar) e insuficiência renal, que pode levar à insuficiência renal e oligohidroamniose. Portanto, salicilatos só devem ser tomados durante a gravidez após uma rigorosa avaliação da relação benefício-risco, sendo contraindicado durante o terceiro trimestre de gravidez.Fenilefrina: Nenhum han estudos foram realizados em humanos. Causa contração de músculos lisos, incluindo o esfíncter urinário e o útero. Simpáticos com efeitos vasoconstritores podem reduzir a infusão de placenta, por isso não devem ser usados na gravidez.Clorofenamina: Estudos em animais não han efeitos adversos no feto. Não foram realizados estudos controlados han humanos.Não há dados adequados do uso das substâncias ativas neste medicamento em gestantes.Este medicamento não deve ser usado durante a gravidez, a menos que o possível benefício justifique qualquer risco potencial para o feto.


TRAJETO

- [RESFRIADO COMUM]. Tratamento sintomático de processos catarral e [GRIPE] que realizam febre, dor moderada, dor de cabeça, lágrimas, congestão nasal e rinorreia.


INTERAÇÕES

- Acetazolamida. A AS resultou em aumentos nos níveis de acetazolamida de até 80-200%, provavelmente por deslocamento de ligação de proteína plasmática. Há risco de envenenamento, por isso é recomendável evitar a administração. Além disso, a acetazolamida poderia levar à acidose sistêmica, de modo que poderia atrasar a eliminação de salicilatos. Embora tenha han casos dessa interação com outros inibidores de anidrato carbônico, não pode ser descartado.- Ácidos urinários (ácido ascórbico, cloreto de amônio, methionina) ou alcalinos urinários (antiácidos absorvíveis). AAS é um ácido fraco cuja remoção de urina depende do pH urinário. Medicamentos que diminuem o pH diminuirão a eliminação renal, enquanto aqueles que aumentam o pH resultarão em aumento da eliminação.- Ácido ethyrônico. A interação foi detectada em termos farmacocinéticos, pois a AAS poderia diminuir a biodisponibilidade de tiludronato em até 50% quando tomada na hora seguinte à tiludronato. Recomenda-se a administração de distância desses medicamentos por pelo menos 2 horas.- Ácido valpróico. han houve casos de aumento dos níveis de valproato associados à administração da AAS. A interação pode ser devido à competição entre as duas drogas pelo mesmo mecanismo de eliminação renal. Uma dose de reajuste pode ser necessária.- NSAIDS. A administração conjunta da AAS juntamente com outros NSAIDs, incluindo coxibes, pode aumentar o risco de úlcera péptica e sangramento gástrico. Além disso, foi demonstrado que a AAS poderia reduzir os níveis de plasma de outros NSAIDs, especialmente aqueles com estrutura arilpropionica, como ibuprofeno.- Aliskiren. Possível redução do efeito anti-hipertensivo de aliskiren (NSAIDs atuam no sistema renin-angiotensin). Em pacientes com função renal comprometida (desidratada ou idosa) a função renal prejudicada (possível insuficiência renal aguda, geralmente reversível) pode ser precipitada. Atenção, especialmente em idosos, o monitoramento do efeito anti-hidratado e da função renal.- Antiácidos. Antiácidos podem atrasar e diminuir a absorção de AAS. Além disso, antiácidos absorvíveis podem aumentar a eliminação da AAS.- Plaquetas. Clopidogrel e ticlopidina poderiam potencializar os efeitos anti-aguerantes da AAS. Por sua vez, a dipiridamol aumentou nos estudos farmacocinéticos um aumento de Cmax e AUC de 31,5% e 37% respectivamente, provavelmente devido à inibição do metabolismo, com o consequente risco de toxicidade. No caso do prasugrel, a administração contraceptiva é indicada, uma vez que a eficácia e segurança do prasugrel foi estudada em pacientes que recebem AAS.- Anticoagulantes orais. A AS resultou em efeitos aprimorados de anticoagulantes como o acenocumarol, com o consequente risco de sangramento, especialmente de origem gástrica. Tal interação pode ser devido aos efeitos hipoprotromínmicos da AAS em altas doses (mais de 3 g) ou inibição da agregação plaqueta. A administração de doses pontuais de AAS não parece representar um grande risco. No entanto, é aconselhável evitar a associação em pacientes tratados com AAS por longos períodos, utilizando salicilatos ou outros NSAIDs sem efeitos antiplaquelet e, se não possível, precauções extremas e controle de INR.Anti-doces. Estudos farmacocinéticos mostraram que o aumento do pH gástrico produzido por anti-histamínicos H2 ou inibidores da bomba de hidrogênio poderia aumentar a absorção de AAS, com o risco potencial de envenenamento. No caso de pacientes que recebem altas doses de AAS, pode ser necessária uma diminuição na dosagem.- Barbitúricos. A AS pode aumentar as concentrações de barbiturato, com o consequente risco de envenenamento.- Beta-bloqueadores. A administração de AAS em altas doses, superior a 2 g, resultou em uma diminuição nos efeitos anti-hipermeditivos dos beta-bloqueadores. Embora a causa seja desconhecida, provavelmente pode ser devido à inibição da síntese de prostaglandina, que parecem mediar os efeitos anti-hiperpertensivos dos beta-bloqueadores. Recomenda-se, portanto, evitar tratamentos com altas doses de AAS em pacientes tratados com beta-bloqueador.- Ciclosporina. NSAIDs podem aumentar a nefrotoxicidade ciclosporina. Recomenda-se avaliar periodicamente a funcionalidade renal, especialmente em idosos.- Corticosteroides. Há um risco aumentado de danos à mucosa gástrica. Além disso, parece que corticosteroides poderiam reduzir os níveis de plasma de AAS, embora o mecanismo não esteja claro. No entanto, acredita-se que possa ser devido ao aumento da filtragem glomerular e à diminuição da reabsorção tubular. A AS, por outro lado, poderia deslocar corticosteroides de ligação proteica para corticosteroides, resultando em efeitos tóxicos.- Digoxina. A AS poderia aumentar as concentrações de digoxina, aumentando o risco de envenenamento. Uma dose de reajuste pode ser necessária.Diuréticos. Vários estudos mostraram que a AAS poderia reduzir ligeiramente os efeitos diuréticos de drogas como furosemida, e natriuréticos espironolactona. Além disso, o comprometimento renal agudo pode ser mais comum, especialmente em pacientes desidratados tratados com diuréticos thiazidicos.- Drogas ototóxias. A AS pode aumentar a otoxicidade de drogas como aminoglycose, cisplatina, eritromicina, furosemida ou vancomicina, especialmente em altas doses.- Fenitoína. A AS poderia, em altas doses, deslocar fenitoína de seus pontos de ligação proteica, resultando em efeitos tóxicos. No entanto, geralmente não há sintomas de tal interação, já que a fenitoína livre sofre uma redistribuição em tecidos, diminuindo suas concentrações plasmáticas. Recomenda-se monitorar o paciente.Griseofulvina. Griseofulvin pode diminuir severamente a absorção de AAS, por isso é recomendável evitar a associação.Heparin. Um grande número de casos de pacientes foram relatados em que a administração de heparina juntamente com a AAS resultou em um aumento dos efeitos anticoagulantes, com um risco aumentado de sangramento. Embora a heparina tenha sido associada à AAS para reduzir a mortalidade associada ao tromboembolismo pós-operatório, o risco deve ser avaliado em cada paciente, e seus parâmetros de coagulação monitorados.- Ibuprofeno. Dados experimentais sugerem que o ibuprofeno pode inibir o efeito debaixas doses de AAS na agregação plaqueta quando administradas concomitantemente. No entanto, não há evidência clínica e é provável que não haja efeito relevante com o uso ocasional de ibuprofeno.- IECA. Há estudos em que um efeito antagônico de NSAIDs foi testado em doses superiores a 1 g, em IAPs, provavelmente devido à inibição da síntese de prostaglandina, que têm efeitos vasodilatadores. Recomenda-se o monitoramento regular da pressão arterial.- ISRS. Há um risco aumentado de sangramento em geral, e gástrico em particular, por isso é recomendado evitar a associação.- Lítio. A AS pode diminuir o despejo de lítio, aumentando o risco de envenenamento. Uma dose de reajuste pode ser necessária.- Methotrexato. Numerosos han em que a administração da AAS aprimorou os efeitos do metotrexato foram relatados. Os efeitos podem ser devido ao deslocamento de metotrexato de seus pontos de ligação proteica pela AAS, ou pela diminuição do desembaraço renal por inibição da secreção tubular. Esse efeito é especialmente importante em pacientes idosos com comprometimento renal. Recomenda-se precauções extremas, diante do risco de pancitopenia grave.- Nitroglicerina. Estudos farmacocinéticos mostraram que a AAS poderia aumentar os níveis de nitroglicerina plasmática em até 54%, talvez devido à diminuição do fluxo hepático e ao metabolismo da nitroglicerina. Em contraste, tratamentos prolongados com AAS resultaram em um aumento das necessidades de nitroglicerina para o mesmo propósito, talvez diminuindo a produção de prostaglandinas vasodilatantes. Recomenda-se monitorar o paciente.- Pentazocina. Um caso de toxicidade renal reversível da AAS foi relatado ao adicionar pentazocina. Recomenda-se avaliar a funcionalidade renal do paciente.- Sulfonylureas. A administração de AAS em altas doses, superior a 2 g, poderia aumentar os efeitos hipoglicêmicos de sulfoniaureas. O mecanismo é desconhecido, mas a AAS poderia deslocar sulfoniaureas de seus pontos de ligação de proteína plasmática, ao mesmo tempo em que reduzia a eliminação renal de alguns deles, como a cloropropamida. Recomenda-se monitorar a glicemia, especialmente ao iniciar e terminar o tratamento com AAS, ajustando a dose de sulfonial, se necessário.- Uricosurates. A AS tem efeitos uricosurate em altas doses, maiores que 3 g, mas em doses baixas, foi demonstrado que pode antagonizar os efeitos da sondanecid ou sulfinpirazone. Além disso, os uricosurates podem diminuir a eliminação da AAS. Pode ocorrer um acúmulo de ácido úrico e AAS. Por isso, recomenda-se evitar a associação.- O Verapamil. Casos han efeitos antiplaquetes AAS por verapamil foram relatados. Recomenda-se monitorar o paciente.- Zafirlukast. Estudos farmacocinéticos mostraram que a AAS poderia aumentar os níveis de zafirlukast em até 45%, com o risco potencial de toxicidade. Recomenda-se monitorar o paciente.Zidovudine. As concentrações plasmáticas de zidovudina podem ser aumentadas inibindo competitivamente a glucuronidação ou inibindo diretamente o metabolismo microssomalníveis hepáticos, sendo capaz de atingir níveis tóxicos. Deve-se exercitar a cautela. Também aumenta a toxicidade do ácido acetilsalílico.- Comida. Estudos farmacocinéticos mostraram que a administração da AAS após as refeições poderia reduzir a absorção em até 50%. Portanto, se forem desejados efeitos rápidos, é aconselhável administrar o AAS em jejum. No entanto, a administração com refeições reduz o risco de irritação gástrica.- Álcool etílico. Há um risco aumentado de danos gástricos, por isso é recomendado evitar o consumo de álcool, especialmente dentro de 8-10 horas após uma dose de AAS. Pacientes que bebem mais de três bebidas alcoólicas diariamente devem evitar o uso de AAS, substituindo-a por outra NSAID.


ENFERMAGEM

Salicilatos e seus metabólitos são excretados através do leite humano em pequenas quantidades.Como não são observados efeitos colaterais no recém-nascido após o uso ocasional de salicilatos, a interrupção da lactação normalmente não é necessária. No entanto, se salicilatos são tomados regularmente ou em altas doses, a lactação deve ser rapidamente interrompida.Fenilefrina: a informação é limitada em termos da excreção de fenilefrina no leite materno humano ou animal. Um risco para o bebê não pode ser descartado.Chlorphenamine: Uma vez que pequenas quantidades de anti-histamínicos são excretadas no leite humano, há o risco de efeitos adversos na criança, como excitação incomum e clorofenamina pode inibir a lactação devido às suas ações anticolinergic.Este medicamento não deve ser usado durante a lactação.


CRIANÇAS

O uso de AAS em menores de 16 anos com febre associada a infecções virais como gripe ou varicela tem sido associado ao surgimento da síndrome de Reye potencialmente fatal. O uso de produtos ácido acetilsalic em menores de 16 anos é contraindicado.


REGRAS PARA A ADMINISTRAÇÃO ADEQUADA

Os comprimidos efervescentes devem ser dissolvidos em meio copo de água, depois ingeridos quando a efervescência cessar e, preferencialmente, após as refeições. A administração deste medicamento deve ser iniciada quando os primeiros sintomas aparecerem. À medida que estes desaparecem, esta medicação deve ser descontinuada.



DOSAGEM

- Adultos e adolescentes maiores de 16 anos: 1 comprimido/6-8 horas. A dose diária máxima é de 4 comprimidos/24 horas, separados por pelo menos 6 horas.

- Crianças menores de 16 anos: Não use esse medicamento.

"Posologia em situações especiais"

- Insuficiência cardíaca: redução da dose



POSOLOGIA EM INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA

* Sério: Não recomendado para uso.


POSOLOGIA EM INSUFICIÊNCIA RENAL

* Leve ou moderada: Cuidado, devido ao aumento do risco de toxicidade.* Sério: Não recomendado para uso.


PRECAUÇÕES

- [INSUFICIÊNCIA RENAL], [INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA]. Pode ocorrer um acúmulo de substâncias ativas neste medicamento.- Pacientes com [GLAUCOMA], [INSUFICIÊNCIA CORONARIANA], [CARDIOPATIA ISQUEMICA], [ARRITMIA CARDÍACA], [HIPERTIREOIDISMO], [FEOCROMOCITOMA], [HIPERPLASIA PROSTÁTICA], [OBSTRUÇÃO VEJIGA URINÁRIA], [MYASTHENIA GRAVE] OU [OBSTRUÇÃO INTESTINAL]. Tanto fenilefrina quanto clorofenamina podem agravar os sintomas. Em casos graves, pode ser aconselhável evitar a administração.- Crônica [ASMA]. Há um risco aumentado de hipersensibilidade e reações de broncoespasmo. Além disso, nesses pacientes, bem como aqueles com [ENFISEMA PULMONAR] ou [DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRONICA], a clorofemina pode piorar a doença devido aos seus efeitos anticolinergic.- [DIABETES]. Tanto fenilefrina quanto AAS podem modificar a glicemia, por isso é recomendado monitorar periodicamente os níveis de glicose no sangue.- [DÉFICIT DE GLICOSE-6-FOSFATO DESIDROGENASE]. AAS pode induzir o aparecimento de anemia hemolítica.- [HIPERTENSÃO ARTERIAL] ou [INSUFICIÊNCIA CARDÍACA] descontrolada. ASA ou fenilefrina podem piorar essas doenças.- [GOTA]. A AAS pode competir com os uratos em sua eliminação, podendo aumentar seus níveis. Recomenda-se cautela em pacientes com gota.- [CIRURGIA]. Recomenda-se interromper a administração de produtos de gripe com AAS pelo menos 5-7 dias antes da cirurgia, devido ao risco de sangramento durante a operação.- [EPILEPSIA]. Alguns anti-histamínicos H1 han associados a convulsões.- História da úlcera péptica. Pode causar uma reativação da úlcera. Em caso de úlcera ativa, recomenda-se evitar a administração (ver Contraindicações).Álcool, álcool. O álcool não deve ser ingerido, pois aumenta os efeitos colaterais gastrointestinais da AAS, e é um gatilho na irritação crônica. O consumo regular de álcool pode causar sangramento gástrico. Além disso, o álcool aumenta o efeito sedativo da clorofenamina.- [HEMORRAGIA]. O tratamento concomitante com medicamentos que podem aumentar o risco de sangramento, especialmente digestivos elevados como corticosteroides, NSAIDs, antidepressivos SSRS, antiplaquetas, anticoagulantes, deve ser evitado. Caso contrário, deve ser usado com cautela, alertando o paciente sobre possíveis sinais e sintomas (cêmese, hematemesis, hipotensão, sudorese fria, dor abdominal, tontura) bem como a necessidade de parar o tratamento e ir imediatamente ao médico.-Medicamentos contendo aspirina não devem ser fornecidos a crianças, em especial crianças menores de 16 anos e adolescentes com doenças virais com febre ou sem febre sem consultar o médico ou farmacêutico. Algumas doenças virais, especialmente influenza A, influenza B e varicela, há risco de aparecimento da síndrome de Reye.O risco de desenvolver essa doença aumenta com a tomada concomitante de aspirina, porém nenhuma relação de causa e efeito foi comprovada entre elas. Em algumas crianças, a aspirina pode ser, entre outras, um gatilho no início da síndrome de Reye. Se ocorrer vômito contínuo ou letargia, este pode ser um sintoma da síndrome de Reye, por isso o tratamento deve ser suprimido imediatamente.


PRECAUÇÕES RELACIONADAS COM EXCIPIENTES

- Este medicamento contém sais de sódio. Para o teor exato de sódio, recomenda-se rever a composição. Formas farmacêuticas orais e parenterais com quantidades de sódio superiores a 1 mmol (23 mg)/dose diária máxima devem ser utilizadas com cautela em pacientes com [HIPERTENSÃO ARTERIAL], [INSUFICIÊNCIA RENAL] ou dietas com baixo teor de sódio.



REAÇÕES ADVERSAS

As reações adversas são descritas de acordo com cada intervalo de frequência, considerado muito comum (>10%), comum (1-10%), incomum (0,1-1%), raro (0,01-0,1%), muito raro (<0,01%) ou de frequência desconhecida (não pode ser estimado a partir dos dados disponíveis).

* Reações adversas devido ao ácido acetilsalílico:

- Hamatológica: Comum: [HEMORRAGIA] (risco aumentado), hemorragias perioperatórias, [HEMATOMA], [EPISTAXIS], [GENITOURINARIA HEMORRHAGE], [HEMORRAGIA GENINGIVAL], [HIPOPROTROMBINEMIA]. Incomum: [ANEMIA]. Rara: lanemias crônicas pós-hemorrágicas devido a sangramentos ou sangramentos ocultos, que apresentarão sintomas típicos como [ASTENIA], [PALOR], hipoperfusão. Muito raro: [HEMORRAGIA CEREBRAL], especialmente em pacientes com hipertensão descontrolada e tomando agentes anticoagulantes concomitantemente.

- RESPIRATÓRIO: Comum: [ESPASMO BRONQUIAL], [DYSPNOEA], [RINITIS], [ASMA], [CONGESTÃO NASAL]. Muito raro: [ANAFILAXIA].

- DIGESTIVO: COMUM: [ULCER GÁSTRICO], [ÚLCERA DUODENAL], [HEMORRAGIA GASTROINTESTINAL], [MELENA], [HEMATEMESIS], [DOR ABDOMINAL], [DISPEPSIA], [VOMITOS], [NÁUSEA]. Raro: intestinal [INFLAMAÇÃO]. Muito raro: [PERFURAÇÃO GÁSTRICA].

- Dermatológico: Comum: [URTICÁRIA], [ERUPÇÕES EXANTEMÁTICAS], [ANGIOEDEMA], [PRURITO].

- Fígado: Incomum: [HEPATITE] (particularmente em pacientes com artrite juvenil). Muito raro: transitório [INSUFICIÊNCIA HEPATICA] com [AUMENTO TRANSAMINASE].

- Neurológico/psicológico: Frequência desconhecida: [MAREO], [CEFALEA], [CONFUSÃO].

- Erótica: Frequência desconhecida: [ZUMBIDO], [SORDERA].

- Genitourinarias: Frequência desconhecida: [INSUFICIÊNCIA RENAL], [NEFRITE TUBULOINTERSTICIAL AGUDA].

- Geral: Incomum: [SINDROME DE REYE] (em crianças menores de 16 anos com processos febris, fluência ou varicela). No paciente

Em pacientes com histórico de hipersensibilidade ao ácido acetilsalico e outras reações anti-inflamatórias não esteroides podem ocorrer. Casos de hemolise e anemia hemolítica foram relatados han em pacientes com insuficiência de glicose grave 6-fosfato desidrogenase.

* Reações adversas devido à fenilefrina que aparecem com mais frequência

- Neurológico/psicológico: Frequência desconhecida: [NERVIOSISMO], [ANSIEDADE], [MIASTENIA], [MAREO], [TEMBLOR], [INSOMNIO], [IRRITABILITY], [CEFALEA] (com altas doses pode ser sintoma de hipertensão). Em altas doses [CONVULSÕES], [PARESTESIA], [PSICOSIS], [ALUCINAÇÕES] podem ocorrer.

- Cardiovascular: Frequência desconhecida: [DOR TORACIC], [BRADICARDIA], aumento do trabalho cardíaco por aumento da resistência da artéria periférica, [INSUFICIÊNCIA CARDÍACA] (exacerbação),[PALPITAÇÕES] (em alta dose), [HIPERTENSÃO ARTERIAL] (em altas doses ou em indivíduos suscetíveis), [VASOCONSTRIÇÃO PERIFERIC], [FRIALIDADE EM EXTREMIDADES], [HIPOTENSÃO].

- Respiratório: Frequência desconhecida: [DYSPNOEA], [SÍNDROME DAS DISTRES RESPIRATÓRIAS ADULTAS], [RUBORIZAÇÃO].

- Digestivo: Frequência desconhecida: [VOMITOS].

- Genitourinarias: Frequência desconhecida: [RETENÇÃO URINÁRIA].

- Dermatológico: Frequência desconhecida: [PALOR], [ESCALOFRIOS], [HIPERHIDROSIS].

- Frequência metabólica: [HIPERGLUCEMIA], [HIPOPOTASEMIA], [ACIDOSE METABÓLICA].

* Reações adversas devido à clorofenamina que ocorrem com mais frequência:

- Neurológica/Psicológica: Frequência desconhecida: [DEPRESÃO DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL] com [SOMNOLENCIA], [MAREO], [MYASTHENIA] que em alguns pacientes desaparecem aos 2-3 dias, [DISTONIA] facial, [ATAXIA], [TEMBLOR], [PARESTESIA].

- Oftalmológico: Frequência desconhecida: [VISÃO BORROSA], [DIPLOPIA].

- Respiratório: Frequência desconhecida: [DRYness NASAL] e garganta, espessamento das membranas mucosas.

- Frequência digestiva: [BOCA SECA], [ANOREXIA], [DISGEUSIA], desconforto gastrointestinal ([NÁUSEAS], [VOMITOS], [DIARREA], [STRESS], [EPIGASTRICO PAIN]) que são reduzidos ao administrar a droga com alimentos.

- Genitourinarias: Frequência desconhecida: [RETENÇÃO URINÁRIA].

- Dermatológico: [HIPERHIDROSIS].



OVERDOSE

Com doses de mais de 100 mg/kg/dia por mais de dois dias pode produzir salicyleismo. Pode ser diferenciado entre toxicidade crônica e toxicidade aguda. Sinais de salicismo aparecem quando concentrações de salicilato de plasma excedem 300 mg/l.- Sintomas: Os sintomas da supertoxificação são: tontura, tontura, zumbido de orelhas, náuseas, vômitos, surdez, suores, dores de cabeça e confusão, vasodilatação e hiperventilação, visão turva e, ocasionalmente, diarreia. Vasodilatação e suores são o resultado de metabolismo acelerado. Sintomas de toxicidade crônica podem ser controlados reduzindo a dose.Na toxicidade aguda é a alteração no equilíbrio ácido-base que pode influenciar a toxicidade dos salicilatos, alterando sua distribuição entre plasma e tecidos. A apresentação mais comum para crianças é a acidose metabólica. A estimulação respiratória causa hiperventilação e alcalose respiratória. A fosforilação oxidativa prejudicada produz acidose metabólica. Em crianças até quatro anos tende a predominar o componente metabólico, enquanto em crianças mais velhas e adultos a alcalose respiratória é mais comum. A absorção de AAS pode ser diminuída devido à diminuição do esvaziamento gástrico, formação de pedras estomacais ou como resultado da ingestão de preparações entáricas revestidas.- Tratamento: Não há antídoto para envenenamento salicilato. No caso de uma overdose, o paciente deve ser mantido em observação por pelo menos 24 horas, já que durante várias horas os sintomas e níveis de salicilato no sangue podem não ser revelados. Esta é uma overdose com lavagem gástrica, diurese alcalina forçada, administração repetida de carvão ativado e terapia de apoio com administração de fluidos e eletrólitos. A restauração do equilíbrio ácido-base pode ser necessária juntamente com a hemodiálise, em casos agudos.Fenilefrina e Clorfenamina Overdose:A overdose de fenilefrina causa estímulo excessivo do sistema nervoso simpático com efeitos como ansiedade, medo, agitação, dor de cabeça (podem ser sintomas de hipertensão), convulsões, insônia, confusão, irritabilidade, tremores, anorexia, náuseas, vômitos, psicose com alucinações (mais comuns em crianças) e efeitos no sistema cardiovascular como hipertensão (às vezes com hemorragia cerebral e edema pulmonar), arritmias, palpitações, vasoconstrição periférica e visceral , redução do fluxo sanguíneo para órgãos vitais e pode diminuir a infusão renal, com redução da produção de urina e acidose metabólica; aumento do trabalho cardíaco devido ao aumento da resistência da artéria periférica; efeitos vasoconstritores graves podem provavelmente ocorrer em pacientes hipovolêmicos, bradicardia grave. Em uso prolongado, pode ocorrer esgotamento do volume de plasma.Além disso, outros sintomas relacionados à overdose de cloramina podem aparecer, como efeitos anticolinergic (desajeitado ou instabilidade, sonolência grave, boca seca grave, nariz ou garganta, rubor, dispnoea), arritmias cardíacas, depressão do CNS, estimulação do CNS (alucinações, convulsões, insônia), esses últimos sintomas podem aparecer tarde; hipotensão (sensação de desmaio).O tratamento da cloramina e da fenilefrina é sintomático e de apoio.

Drogas
Adultos
tratamento
Congestão nasal
Dor
Febre
dor de cabeça
ALTER
23 Itens

Também poderá gostar

Gripes e resfriados

GELOCATIL GRIPE COM PSEUDOEFEDRINA 20 COMPRIMIDOS GRIPE FRIA E DESCONFORTO

FERRER INTERNACIONAL
886200
9,89 € 10,99 €
Gripe gelotatil com pseudoefedrina 20 comprimidos. Tratamento de gripes e resfriados. Combina em si vários efeitos analgésicos, antipiréticos, antagonista histaminérgico (tratamento de problemas estomacais), congestão nasal ou rinorreia, espirros e outros estados de desconforto.

Clientes que compraram este produto também compraram:

  • Expedições para Espanha e Portugal Continental.
  • Frete expresso e entrega em 2-3 dias.
  • Retire na loja imediatamente.
  • Portes grátis, a partir de 30 euros.
  • Recolha gratuita na loja.
  • Milhares de ofertas e códigos de cupom.
  • Site criptografado e pagamento seguro.
  • Garantias de cancelamento, troca, devolução ...
  • Preços muito competitivos.
  • Atendimento ao cliente profissional.
  • Tudo em farmácia e parafarmácia.
  • Garantia da farmácia, sem contrafacções ou produtos de má qualidade.
Producto añadido a la Lista de Deseos
Producto añadido a Comparar

Este website utiliza cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de utilizador. Se continuar a navegar, está a dar o seu consentimento à aceitação dos referidos cookies, e à aceitação da nossa política de cookies.